Primeiro Lia de 2022 aponta índice alto de infestação de Aedes aegypti em Pato Bragado

Além do aumento dos casos de Covid-19 em Pato Bragado e região, a Secretaria Municipal de Saúde está preocupada com o possível retorno da dengue, outra doença que que pode se alastrar no município.

Na intenção de evitar uma nova epidemia, novamente o trabalho dos Agentes Comunitários de Endemias (ACEs) precisa do apoio da população para auxiliar na eliminação dos focos do mosquito Aedes aegypti.

Conforme o chefe da divisão de Endemias, Cleber de Almeia dos Santos, o último Levantamento do Índice do Aedes aegypti (Lia) promovido nos dias 10 a 12 de janeiro, revelou que o percentual de infestação causado pelo Aedes aegypti já chega a 2%, o que é considerado alto já que o preconizado pelo Ministério da Saúde é de, no máximo, 1%.

 

CHÁCARAS

Santos aponta que neste Lia foram encontrados nove focos de larvas, a grande maioria em chácaras, nos bebedores de animais. “Destes, oito positivaram para o Aedes aegypti, portanto é necessário que as pessoas mantenham esses locais sob vigilância, mantendo a limpeza e trocando a água praticamente diariamente, pois é nos bebedouros de animais que a incidência de larvas é predominante e se não for controlada pode vir a se tornar um grande agravante em todo município”, alerta.

Ele reforça que na cidade também é preciso evitar o acúmulo de materiais que possam armazenar água e quem viaja deve redobrar os cuidados para evitar o avanço da doença, tanto no seu imóvel, que ficará desabitado, como na casa eventualmente alugada para a temporada.