Pato Bragado investe em oficinas de hortas, cisternas e grafites no colégio estadual

Desde o início da manhã de hoje (14) e assim durante a semana, os estudantes do 1º ano do ensino médio do Colégio Estadual Pato Bragado estão incumbidos da missão de executarem vária tarefas em três oficinas, a de Hortas Comunitárias e Plantas Medicinais, a segunda de Construção de Cisternas e a última de Grafites. A proposta foi apresentada pela Secretaria de Agricultura, Pecuária e Meio Ambiente do município à direção do educandário, que prontamente aceitou.

A oficina de Hortas Comunitárias e Plantas Medicinais foi aberta oficialmente pelo prefeito em exercício, John Nodari, secretária de Agricultura, Jaqueline Vanelli, diretora do colégio, Nadir Thomas e diretora auxiliar, Matiela Hexsel. Na sequência ocorreram as explanações teóricas conduzidas pelo engenheiro agrônomo e mestre em Desenvolvimento Rural Sustentável pela Unioeste, Vinícius Mattia sobre a produção de mudas, preparo de canteiros, espaçamento, adubação, irrigação, controle de pragas, doenças e plantas daninhas, cobertura de solo e demais tratos culturais específicos para cada cultura.

Já à tarde os alunos estão colocando a mão na massa e cultivando diversas espécies de hortaliças, plantas condimentares e aromáticas, levando em consideração práticas sustentáveis de produção como o uso de fertilizantes orgânicos, cobertura do solo.

Os participantes não têm custos, pois todas as despesas como os materiais de insumo (sementes, adubos, ferramentas, entre outros) e monitor, foram custeadas por meio de convênio com o Conselho dos Municípios Lindeiros ao Lago de Itaipu, por intermédio do Projeto Educação para Sustentabilidade e Desenvolvimento Cultural do Território e Gestores Municipais de Educação Ambiental (Gemea).

A secretária de Agricultura, Jaqueline Vanelli, explica que o colégio ainda não possuía uma horta e a intenção é de que os alunos, em sua maioria da área urbana, aprendam as práticas de manejo de uma horta para que disseminem nas suas famílias. “Hoje é possível contar com uma horta, mesmo tendo um espaço pequeno, basta ter criatividade e vontade. Além de diminuir as despesas, a pessoa sabe o que irá consumir e terá na porta da sua casa, as verduras e chás que gosta. Além disso, os alunos também estarão incumbidos de manterem a horta no educandário e contarão com apoio do projeto”, declara.

 

APRENDER FAZENDO

A diretora Nadir Thomas conta que o projeto vem de encontro à proposta do Novo Ensino Médio (NEM) que é aprender a fazer fazendo, tornando a aprendizagem mais significativa. “Os conhecimentos obtidos com a realização do projeto contemplam a interdisciplinaridade, ou seja, as mais diversas áreas do conhecimento como por exemplo, biologia, química, matemática, meio ambiente, arte, entre outras, e poderão ser aplicados no cotidiano dos alunos e para a vida toda”, declara.

Segundo ela, espera-se que os estudantes valorizem os espaços escolares e cuide dos mesmos, compreendendo-os como valiosos ambientes de aprendizagem.

Amanhã (15) será a vez da oficina de Construção de Cisternas, enquanto que na sexta-feira (18) será a de grafite. Todas contam com oito horas de aprendizagem teórica e prática.