Pato Bragado apresenta o melhor índice regional em Gestão Fiscal

Divulgado na última semana o Índice Firjam de Gestão Fiscal (IFGF) com ano-base 2016, revela que Pato Bragado é a primeira cidade colocada em gestão fiscal no ranking regional, segunda no Estado e a 28ª no País. O resultado é um contraste com o restante dos 60% dos municípios da região que estão em situação fiscal crítica ou delicada quando o assunto é gestão dos cofres públicos.
Dos 50 municípios do Oeste, 29 obtiveram avaliações C ou D, indicando a intensidade da crise fiscal vivida pelos gestores públicos.
Essas classificações podem ser associadas à queda direta na arrecadação, nas transferências e na dificuldade ou na falta de margem para cortar despesas. Para se chegar ao resultado anunciado, o levantamento considerou cinco indicadores: receita própria (capacidade de arrecadação), gastos com pessoal, investimentos, liquidez (comprometimento do orçamento com dívidas acumuladas no ano anterior, os chamados restos a pagar) e custo da dívida.
O prefeito Leomar Rohden (Mano) explica que a justificativa está nos gastos públicos. “Somos um município sem dívidas, pois realizamos os investimentos pautados na previsão da receita financeira. A exemplo de gestões anteriores iremos deixar em caixa recursos suficientes para honrar os restos a pagar, acumulados no ano. Isto aumenta a nossa responsabilidade em aplicar bem os nossos recursos”, afirma, acrescentando que a administração está elaborando projetos para novos investimentos, a fim de seguir aplicando bem os recursos para a continuidade de uma gestão eficiente, pautada no oferecimento de serviços de qualidade à população”, declara.
Nenhum dos municípios da região obteve conceito A (de 0,8 a 1 ponto), considerando que, quanto mais próximo de um, melhor a gestão fiscal.

Com informações de Juliet Manfin. Jornal O Paraná, edição nº 12.579 de 12 de agosto de 2017, Política A 3.



Downloads