Creas promove acompanhamento e capacitação à Família Acolhedora

O amparo provisório de crianças e adolescentes em situação de risco pessoal ou social por meio de uma família acolhedora é assistido diretamente pela Secretaria de Assistência Social, através do Creas. Além do acompanhamento domiciliar, a família acolhedora é instruída sobre o papel que assume como parceira no atendimento e na preparação para o retorno à família biológica ou substituta.
Diante da relevância que a harmonia representa no contexto familiar e social, o assunto foi ilustrado na terça-feira (15) pela psicóloga Andrinea Cordova da Rosa e a Assistente Social e Coordenadora do Creas, Rafaela Melo Damasceno Couto.
As profissionais citam que foram abordadas as formas para manter ou promover a harmonia no lar com a modificação de condutas e maneiras de interpretar o mundo. “Frisamos a rotina, a organização de horários nas tarefas domésticas e do trabalho formal, como necessários para famílias que almejam viver em harmonia”, mencionam, reforçando que todos os integrantes da família podem colaborar nesse empreendimento para aumentar o nível de tranquilidade dentro de casa.
Outro aspecto relevante apontado se refere às refeições em famílias, que segundo Andrinea e Rafaela devem ocorrer de forma harmônica, como um momento especial para a família, sem assuntos indelicados ou negativos.

DIFERENÇAS
Psicóloga e assistente social apontam a difícil tarefa de conviver com o outro e com as diferenças, como a maior dificuldade para manter a harmonia no lar. Acerca disso, orientaram que em primeiro lugar é preciso aprender a ver as qualidades do outro, no contexto familiar, sem se prender aos defeitos. “O que ocorre na maioria das vezes é uma tendência a se prender aos defeitos que acabam por sufocar as qualidades”, dizem.
Em geral, todo o indivíduo deseja viver em harmonia. “Se uma pessoa não sabe tolerar, entender, abençoar ou ser útil a oito ou dez pessoas do ninho doméstico, de que modo pode cumprir os seus ideais e compromissos e conviver em sociedade. Ou ainda desejar que a sociedade seja harmônica?”, questionaram.
Conforme Andrinea e Rafaela a harmonia inicia no indivíduo (interior) e em sua casa, com seus familiares. “A harmonia também influencia no desenvolvimento da criança, na maneira como pode ‘ler o mundo’. Toda criança está em constante formação e com a orientação devida, o caminho e direcionamento a uma boa moral se tornam decisivos”, destacam, salientando que nesse sentido, os pais são o espelho para os filhos, uma vez que suas atitudes, gestos, palavras e comportamentos estão sendo observados.
“Tolerar, amar, trabalhar, desenvolver a habilidade da paciência e resignação se torna um dos caminhos a serem seguidos na construção de uma harmonia necessária e efetiva no lar”, garantem as profissionais.