Agosto Dourado surge para valorizar o aleitamento materno

Agosto ganhou uma nova cor, o dourado, em referência ao alimento considerado padrão ouro para a promoção da saúde infantil. A partir deste ano, o Brasil passa a ter um mês dedicado a discutir e incentivar o aleitamento materno. O Ministério da Saúde preconiza a amamentação por dois anos ou mais, sendo somente leite materno, nos primeiros seis meses. Defende ainda que dar outros leites para complementação, oferecer outros líquidos em mamadeiras, oferecer chupeta e fumar ou usar bebidas alcoólicas prejudicam a amamentação.
Segundo a enfermeira da Unidade Básica de Saúde (UBS), de Pato Bragado, Fernanda Regina Brod, a amamentação é muito importante tanto para a mãe, quanto para o bebê. “E é nesta hora que devemos contar com parceiros para tornar o ato mais prazeroso. Estes parceiros são os familiares, os educadores, os profissionais de saúde, empresários, juízes e artistas”, explica, reforçando que cada um contribui de alguma forma para que a amamentação seja realizada.
Fernanda garante que as mulheres que amamentam tem menos chance de desenvolver câncer de mama, câncer de útero, de ovário e o diabetes. Quanto às crianças, segundo a profissional, têm menos infecções e diarreias, pois o leite materno nunca é fraco e é o melhor alimento para a criança. “Além disso, sugar o peito é um excelente exercício que favorece o desenvolvimento da face, ajuda a ter dentes saudáveis e boa fala”, defende.
A Secretaria de Saúde está à disposição para prestar orientações às gestantes e puérperas, incentivando a amamentação e a doação de leite excedente, caso a mãe tenha interesse. Também convidamos para palestra sobre aleitamento materno, na próxima quarta-feira (09), às 19 horas, na UBS.